Áreas de estudo

Região de Valência (Espanha)
A área florestal da Comunidade Valenciana ocupa aproximadamente 60% do território, embora esta área continue numa tendência de aumento de ≈3.300 ha/ano (NFI2-NFI3). A floresta de Pinus halepensis, que é o ecossistema estudado no REMAS, apresenta uma área de 514.065 ha, que corresponde a 40% do território. Em relação à propriedade florestal, 55% das terras são propriedade privada, 39% são públicas e 6% são de proprietário desconhecido. Em relação aos terrenos públicos, 76% pertencem aos municípios. Fonte principal: PATFOR (2013).

Mapas: 

Delimitação da área de estudo 
Incêndios florestais nos últimos 20 anos


A área de estudo da Região de Valência é a Demarcação Florestal de Chelva (excepto Rincón de Ademúz).
Região de Guadalajara (Espanha)
A área florestal na região de Guadalajara abrange mais de 62% do território (mais de 764.000 ha), estando a maior parte arborizada (68%). Os pinhais de Pinus sylvestris ocupam uma área de 57.107 ha, sendo 70% dos terrenos ocupados por esta espécie  públicos e 30% privados. Da propriedade pública, 80% pertence aos municípios. Na área de estudo (Parque Natural do Alto Tajo), as florestas de P. sylvestris abragen mais de 25.000 ha (19% da área protegida).

Mapas: 
Delimitação da área de estudo 
Incêndios florestais nos últimos 20 anos
Região da Aquitânia (França)
A Nova Aquitânia apresenta a maior floresta artificial da Europa, estabelecida no século XIX para estabilizar as dunas costeiras e recuperar os pântanos que, posteriormente, ocupam o território. Atualmente, esta região ocupa 1 milhão de hectares, dos quais apenas 10% da sua superfície é gerido pelo Estado francês ou autoridades locais. Esta é uma floresta cultivada onde domina uma espécie local, o pinheiro marítimo, principalmente explorado para extração de madeira, mas que cada vez mais é utilizada para a produção de papel ou energia.

Mapas: 

Delimitação da área de estudo 
Incêndios florestais nos últimos 20 anos
Região do Algarve – Serra de Caldeirão (Portugal)
A Serra do Caldeirão corresponde a uma formação geológica constituída por xistos e grauvaques, com declives acentuados e coberta, principalmente, por sistemas de sobreiro e sub-bosque. Outros tipos de uso do solo incluem os matos, dominados por Cistus ladanifer, bem como algumas pastagens ou terrenos cultivados. Também existem povoações dispersas de Pinus pinaster, Pinus pinea e Eucalyptus sp. A propriedade da terra é fragmentada e privada. A extração de cortiça é a principal atividade económica das comunidades locais.